Validade vencida

Determinou o PT que se Lula não for candidato em 2018, ninguém será. É uma decisão do próprio Lula, o que mostra o baixo nível de confiança e respeito que tem pelos petistas. É a admissão de que o PT está mais para clube de um só do que para um partido político. Só há jogo se estiver presente. E se alguém aparece com uma bola ele fecha o campo, por ser dono do terreno, que se transformou num lamaçal.

PT é o clube do garoto que ganhou 132 presentes, guardou num cofre em uma agência do BB, sem pagar um centavo, mas diz que não os quer. Se não os quer, porque guardá-los? O juiz Moro já decidiu que, por enquanto, não tratará dessa questão, mesmo porque ainda se busca descobrir onde estão os demais 427 presentes surrupiados dos palácios Alvorado e Planalto.

Há uma lista de processos onde Lula é réu. Já são quatro e o número pode aumentar. Cada vez que alguém é preso, que “sabe das coisas”, acaba fazendo delação premiada e afirma que “Lula sabia”.

Tudo indica que Lula está com o tempo de validade vencida. E o PT idem. Em 2013 elegeu os prefeitos em 12% dos municípios. Neste ano elegeu 4%. Em 2020 esse percentual deverá ter caído e Lula estará condenado em segunda instância. Até lá o partido estará reduzido a um punhado de gente desorientada, sem alguém para liderá-los. Lula não terá tempo para realizar a tal repaginação do partido.

O prazo de validade de Lula tem tudo a ver com a sua credibilidade. A estória das joias que não quer, mas que guarda num cofre, não convence, mas será esclarecida.

Destino de mercadoria com prazo de validade vencida é o lixo e a tendência é do PT seguir esse caminho.

Ernesto Lindgren
CIDADE ONLINE
07/10/2016

COMPARTILHAR