OPINIÃO: REGINALDO SANTOS > Caiu na rede é música

Reginaldo Santos
Muitas coisas boas e ruins surgiram na internet, mas nos últimos anos, bandas e artistas deram as caras através da rede e tiveram fama e reconhecimento nacional e internacional.
Comecemos pela nossa terra! Uma artista que surgiu em 2010 e ainda está em evidência, contrariando um pouco as muitas outras que surgem e somem tão rápido quanto, é a Larissa de Macedo Machado, ou Anitta, que no início era a Mc Anitta.
Mallu Magalhães tem um fato peculiar, ela apareceu com apenas 15 anos em 2007, pediu dinheiro de aniversário para gravar as primeiras músicas e há quem diga que foi o primeiro fenômeno musical da rede. Outro fato de destaque é que a paulistana gravou com Marcelo Camelo (vocalista do Los Hermanos) e em 2008 casou-se com o barbudo rapaz.
Reginaldo Santos
Já a banda Fresno surgiu em Porto Alegre nos idos de 1999 (mesmo ano de lançamento de um dos meus filmes favoritos e que revolucionou o cinema: Matrix), com seu som Emocore\Rock alternativo. Tivemos também Restart, Clarice Falcão (esposa do ator do Porta dos Fundos, Gregório Duvivier), Luan Santana, que com 14 anos gravou um vídeo com amigos e postou no Youtube, estourou em 2007 e ainda está no topo.
Grandes artistas estrangeiros também começaram pela internet e chegaram ao estrelato. Podemos iniciar com o canadense Justin Bieber, passemos por Colbie Caillat (aquela que canta Midnight Bottle e Lucky com participação do Jason Mraz, e a pronúncia de seu nome é “Colbi Calei”), Katy Perry, Lilly Allen, Artic Monkeys, os australianos do 5 Seconds of Summer, que deram as faces em 2011, Sean Kingston (Beautiful Girls), o também canadense The Weeknd, com seu som cheio de swing, que realizou um feito incrível e emplacou 3 músicas ao mesmo tempo nas mais tocadas da Billboard, e por aí vai…
São muitos, com histórias bem parecidas em que começaram do nada e foram batalhando até estourar. Alguns meio que por acaso, com aquele vídeo caseiro que postou e bum, mas é com venda de disco e shows que um cantor/banda ganha dinheiro.
Vale ressaltar que por trás desse grande fenômeno que é a Internet, o artista quer e ainda precisa tocar na velha e necessária plataforma chamada RÁDIO. Isso mesmo! Podemos voltar à nossa primeira matéria, “Uma breve história do Rádio”, e analisar um simples fato: quando uma música toca em rádio não quer dizer que o sucesso está garantido por muito tempo, mas a probabilidade de atingir o grande público que ainda ouve rádio convencional é maior do que pela net, e esse público, além de fiel, consome muito o produto. Muitas pessoas ainda ouvem rádio em casa, no celular, no carro e até no trabalho.
Outra característica do mercado musical na internet é a grande quantidade de trabalhos que fazem certo sucesso e somem logo em seguida. Certo dia, conversando com uma adolescente sobre esse assunto, falei de como era nos anos 80 e 90, quando a internet ainda não era difundida, e o movimento musical era, digamos, menos dinâmico.
As bandas e cantores também surgiam aos montes e, mesmo assim, um hit demorava em torno de 60 a 90 dias para passar o momento explosivo ou estourar. Ela disse que hoje não passa de 15 dias!
Ou seja, a necessidade de material é cada dia maior e com isso coisas ruins ganham destaque, já que vivemos o momento da falta de arte, de música descartável e dos virais (aqueles que aparecem e somem na mesma velocidade). Lembra do coreano PSY?
Temos a oportunidade de sair da zona de conforto, conhecer novos artistas, não ouvir essas “músicas modinha” e enriquecer a playlist pessoal. Basta entrar na internet e buscar artistas novos de certos estilos.
Não é preciso tocar música ruim em uma festa só porque a tal música está na moda. Cuidado para não se tornar vítima da moda!
Talvez por esse e outros motivos que muitos artistas estão produzindo discos de vinil em pleno século 21 e a venda dos tocadores de LP está crescendo mais e mais a cada dia, também por muitos jovens influenciados pelos pais que ouviam vinil e passam para os seus filhos um pouco do que os avós e eles mesmos ouviam quando mais novos.
Como nas fotos reveladas em papel, o disco de vinil é para sempre, desde que não o empreste!
Reginaldo Santos é radialista
COMPARTILHAR