OPINIÃO > MATEUS MARINHO: Precisamos falar sobre Salah

O craque egípcio Mo Salah
Mateus Marinho*
Mohamed Salah. Muito provavelmente até o ano passado você nunca tinha ouvido falar nesse nome. Um egípcio de 25 anos que vem assombrando o futebol mundial. E pode ter certeza, você ainda vai ouvir muito nele pelos próximos anos.
Salah vem roubando a cena essa temporada, levando os torcedores do Liverpool à loucura. Oriundo das terras das pirâmides, país sem tradição alguma no futebol, Salah vem encantando o mundo do futebol com suas performances.
Mateus Marinho
Essa temporada tem sido tão espetacular que seu nome é cogitado para ir à final da Bola de Ouro. Um egípcio na final da Bola de Ouro? Em se tratando de Salah, não seria nenhum absurdo. Ele é, sem dúvidas, pioneiro em seu país.
Os números do “Faraó”, como ficou conhecido, são impressionantes: 47 jogos, 43 gols e 13 assistências pelo Liverpool. Artilheiro da Premier League com 31 gols, vice artilheiro da Champions League com 11 gols, e virtual finalista do maior campeonato de clubes da Europa.
Já chegou mais longe que Messi e Neymar. Em uma comparação com Messi e Cristiano Ronaldo, Salah é superior em números de gols. O argentino tem 50 jogos, 40 gols e 18 assistências, enquanto que o gajo tem 42 gols e 8 assistências em 39 jogos. Ah, e de quebra, foi eleito o craque do campeonato inglês, só o mais disputado do mundo. E nem foi campeão.
Mas seu sucesso vai além dos números. O que ele faz dentro de campo é absurdo. Uma aplicação tática fora do comum, assim como todo o time dos Reds. Pressão quando perde a bola, recomposição, ocupação dos espaços, buscando sempre verticalizar, seja pra colocar um companheiro na cara do gol, ou pra ele mesmo fazer o gol. E isso ele tem feito aos montes.
Está a 1 gol de se tornar o maior artilheiro da história do campeonato inglês, desde que a competição passou a ter 20 times. E esse desempenho fantástico do time da terra dos Beatles não é por acaso. É notória a mão do técnico alemão Jurgen Klopp. E é mais nítida ainda a influência do técnico na forma de Salah jogar. Ele que nos clubes anteriores jogava mais retraído, mais tímido, hoje tem mais liberdade, e chega mais dentro da área. Dedo do Klopp.
Eleição no Egito teve cedulas rasuradas com o nome de Mo Salah. O jogador teve mais de 1 milhão de votos mesmo sem ser candidato | Foto: Jon Nazca / REUTERS
Mo Salah é um jogador que passou por muitas dificuldades pra ser tornar profissional. Ele chegou a enfrentar 9 horas de viagem diariamente, só pra poder treinar, quando estava nas categorias de base de um time pequeno em seu país. Mesmo com todos os obstáculos, nunca desistiu dos seus sonhos. E se tornou um ícone do futebol na atualidade.
Mais que isso, se tornou um herói para seu país. Tanto que seu nome foi escrito nas cédulas rasuradas da eleição presidencial de 2018, na qual o “Faraó” recebeu cerca de 1 milhão de votos, mesmo sem ser candidato. Isso porque fez o gol que classificou o Egito para o Mundial da Rússia, 28 anos depois da última participação, em 1990.

Somos privilegiados em poder ver Salah desfilando seu talento nos campos. A Copa da Rússia nos reserva grandes emoções, assim como a quase certa vaga na final da Champions. Só temos que reverenciar, e agradecer a Alá!

*Mateus Marinho é jornalista
COMPARTILHAR