O des(ma)caramento de Lula

“Não vou sair disso como corrupto”. Impossível. Suspeito de usar dinheiro do BNDES e FAT com juros subsidiados para empreiteiras fazerem obras em outros países, começou a canalhice 2003. Que direito teria para fazer isso? O MPF quer ver sua agenda e possivelmente pedirá as quebras dos sigilos bancário, fiscal e telefônico. 

Olhe-se a lista de ex-amigos, todos carimbados de corruptos.  

A História já teria colocado o carimbo na sua testa: “CORRUPTO”. Ou “AMORAL”, para o País inteiro ver, para o mundo inteiro ver. 

O que estaria sendo desmascarado seria o verdadeiro Lula, que possivelmente teria tudo para entrar para a História do Brasil como o presidente da República mais descarado, mais amoral, mais sem-vergonha que ocupou o cargo. Teria superado tudo o que se possa imaginar de grotesco, de desprezível num homem público.

Precisava se colocar na posição em que está? Ele, que seria suficientemente cínico para vociferar contra as “eliti”, teria ido mendigar o uso de avião de uma empreiteira para servir de garoto-propaganda oferecendo empréstimo subsidiado pelo BNDES.

Estaria precisando de dinheiro? Já não basta a Bolsa-Presidente que recebe, somada à aposentadoria como ex-lider sindical? Teria pensado, “Tem gente por ai que ficou podre de rico roubando a Petrobrás; também quero ganhar mais uns trocados”.  

Não é que teria “baixado seu nível”. Sempre teria estado lá e esse seria o mais sério problema: o País está prestes a descobrir que por duas vezes elegeu para a presidência alguém que não seria nada mais do que um vigarista.

O MPF está pedindo que entregue sua agenda. O que estaria nela anotado? Coisa do tipo “Verificar se a empreiteira depositou a grana na conta”, “Preparar a mala para a viagem para entregar ao motorista da empreiteira”, “Confirmar reserva no hotel feita pela empreiteira”?

E na volta de viagens, “Almoço com empreiteira para prestar conta de como foi a viagem”, “Marcar encontro com empreiteira para definir próxima viagem”?

“Não estou nos meus melhores dias”, teria dito numa passagem por Brasília.

Os dias atuais indicam estarem presentes os elementos para que sua vida se torne num pesadelo.

 

Ernesto Lindgren

CIDADE ONLINE

20/05/2015

 

COMPARTILHAR