Mudança Radical para o bairro da Ogiva

Mudança radical para o bairro da Ogiva
Mudança radical para o bairro da Ogiva

Mudança radical para o bairro da OgivaMaquete digital do novo empreendimento (Divulgação_

(Agosto /2010) Se tudo sair conforme o planejado, o impacto será grande. Não apenas para o bairro da Ogiva, mas também para os bairros próximos como a Gamboa e o Jacaré. Numa área total de 664.564 m², estão projetadas a construção de condomínios residenciais com 2.614 unidades, entre apartamentos e casas, um shopping e uma moderna marina com capacidade para abrigar até 800 barcos.

Pela nova lei, a mudança no zoneamento incluiu também a verticalização do bairro, com a liberação, na prática, de edificações com até cinco pavimentos em grande parte do empreendimento.

{loadposition tague}

No setor “A” (lotes internos), a altura máxima permitida das edificações poderá ser de até 15,00m (térreo + 2 pavimentos + cobertura). No setor “B” (lotes com frente para as estradas Cabo Frio – Búzios, Cabo Frio – Peró e ilhas artificiais), a altura poderá chegar até 18,00m (térreo + 3 pavimentos + cobertura). E no setor “C” (lotes confrontantes com Ogiva), a altura máxima permitida será de 9,00m (2 pavimentos).

Pelo projeto de implantação, canais com 40m de largura e 2,5m de profundidade serão criados e o material retirado nessa dragagem formará ilhas, onde serão construídos pequenos prédios com unidades habitacionais, ruas, estacionamento e áreas verdes. “Temos que manter essa configuração, pois a LP foi aprovada assim. Então, vamos manter a promessa de devolver ao canal de Itajuru 230 mil m² de lâmina d’água”, garante Cotelo.

Toda a configuração do bairro vai mudar e a pacata Ogiva será transformada num apêndice do movimentado Marina Cabo Frio. Até mesmo a sua entrada, não será mais a mesma. Se concretizado o projeto, os moradores da Ogiva que não quiserem passar por dentro do Marina, precisarão dar a volta pela Avenida do Contorno para chegar em casa, pois a Rua dos Arpões, que hoje faz esse serviço, será incorporada ao empreendimento e se transformará em rua sem saída.

lino cotelloEmpresário Lino Cotello

É o que promete o projeto Marina Cabo Frio. Dando ênfase aos espaços abertos e criando largos canais para navegação, o empreendimento apresenta um novo formato de ocupação. No pacote, a cidade, que perde dinheiro com a não exploração do turismo náutico por falta de estrutura, poderá ganhar sua primeira marina de verdade. A empresa do engenheiro Lino Cotelo (Foto ao lado) foi a responsável pela construção da Marina da Glória, primeira marina pública do Brasil, no Rio e da Porto Marina, em Angra, e anuncia que vai trazer os mais modernos recursos para a operação do sistema.

“Não estamos fazendo um conjunto habitacional, estamos fazendo um empreendimento de primeiro mundo. Com grandes espaços abertos e a menor densidade de ocupação da região. Apenas 25% do terreno serão ocupados com construções, os demais 75% serão de canais e áreas verdes”, garante Lino.

O empreendedor acredita que todo o complexo levará entre cinco e seis anos para ser construído e deverá consumir perto de 700 milhões de reais em investimentos, gerando perto de 1000 empregos. “É um empreendimento que vai transformar Cabo Frio. A cidade precisa aumentar seu estoque imobiliário para que o cabo-friense também tenha condições de comprar um imóvel novo de qualidade, e não só o veranista. Tenho certeza que a cidade vai poder se orgulhar”, afirma.

Redação

{loadposition facebook}

 

COMPARTILHAR