Meri Damasceno levanta a arquibancada na Câmara de Cabo Frio

Meri Damasceno, memorialista e escritora

(04 de Maio de 2012) Uma pequena tão notável quando a primeira que moldou o apelido, Meri Damasceno, cabo-friense, ambientalista, memorialista, e escritora , deu uma demonstração de amor por sua cidade natal, e de coragem, ao encarar a tribuna da Câmara de Vereadores para defender o patrimônio ambiental e cultural da cidade e dar um “puxão de orelhas” nos vereadores por estarem permitindo que várias leis, incluindo a Lei Orgânica, a Lei de Zoneamento e o Plano Diretor de Cabo Frio estejam sendo desrespeitados para permitir a construção de um shopping Center em Área de Preservação

Interrompida várias por aplausos e gritos de incentivo, Meri lembrou o vereador Aires Bessa, falecido há um ano, pedindo respeito à sua memória e às leis elaboradas por ele e outros como o veterano Acyr Rocha, presente na sessão. “Isso é um desrespeito a esses homens que criaram essas leis. A Câmara está fazendo vista grossa com o desrespeito às leis”, disse Meri, citando vários números de leis e artigos que não estão sendo cumpridos no processo de licenciamento do shopping.

Meri Damasceno levanta a arquibancada na Câmara de Cabo Frio

“Se as leis feitas aqui nesta Casa não são respeitadas, para que ter uma Câmara então? Perguntou Meri, arrancando aplausos dos presentes. “Perdemos muitas coisas maravilhosas em Cabo Frio e se continuar assim Cabo Frio vai se tornar uma cidade como qualquer outra. Sem nada de especial. Está na hora de dar um basta”, enfatizou Meri.

Após a apresentação o presidente da Câmara, vereador Silas Bento prometeu tomar providencias para fazer cumprir a lei. “A Câmara está preparada para tomar todas as medidas que forem de sua prerrogativa. Onde tiver prerrogativa, vamos agir implacavelmente. Neste momento estou mandando um recado ao Executivo dizendo que esta Casa não está sendo respeitada”, declarou o vereador.

Durante a apresentação, ambientalistas ergueram uma faixa com os dizeres “Acorda Boop Queremos o Parque Arqueológico”, lembrando um dos três esqueletos desenterrados no sítio Aldeia do Portinho e o movimento que pede a criação do primeiro Parque Arqueológico na região.

(Niete Martinez)

COMPARTILHAR