Mas que cachorrada

O resumo dessa encrenca é que o País foi governado, a partir de 2003, por uma cachorrada que correu atrás da Petrobrás como se fosse ela uma cadela no cio. Algum dia alguém vai apontar o dedo para Lula.
A sucessão de delações tende a aumentar na medida em que os condenados começarem a se sentir abandonados.
Esse caso recente, o do Ministro-Chefe da Casa Civil, Jacques Wagner, teria resultado do exame de documentos apreendidos no gabinete do senador Delcídio do Amaral. Deve haver mais coisas e a PGR e a PF possivelmente chamarão Nestor Cerveró para dar explicações.
Parece não haver fim nessa história e o que preocupa é se Lula seria um cara de pau sem-vergonha para viajar pelo País dando início a sua campanha para a presidência nas eleições de 2018.
Dona Dilma, a “guerrilheira”, poderia ajudar transformando-se em “informante”, como está fazendo Lula, “O cara”. Não seria crível que não tenha tomado conhecimento dos fatos citados no documento de Cerveró.
Do outro lado, o da chamada “direita”, o senador Alvaro Dias teria perdido a paciência com Aécio Neves. De fato, estava parecendo complicado para ele aceitar a liderança do mineiro, atual presidente do PSDB. Talvez vejamos acontecer o inimaginável: o senador, que já se filiou ao PV, receberia de braços abertos o senador Paulo Paim que está ameaçando deixar o PT depois de 30 anos.
A cachorrada que estuprou a Petrobrás deixou um rastro de lama com odor insuportável e essas mudanças de partidos têm uma justificativa do tipo “Deixe eu sair daqui antes que espirre em mim”.
Petistas e admiradores nada mais têm a fazer senão engolir em seco. Argumentar que os fatos que estão vindo à tona são coisas de “golpistas” seria uma demonstração de um maníaco incapaz de enfrentar a realidade que é a desmistificação do PT como partido que seria a referência para a ética na política.
O PT está cheio de cachorros, sim.
Ernesto Lindgren
CIDADE ONLINE
08/01/2016

COMPARTILHAR