Hotelaria de Cabo Frio tem uma das piores temporadas dos últimos anos

Hotelaria de Cabo Frio tem uma das piores temporadas dos últimos anos
Hotelaria de Cabo Frio tem uma das piores temporadas dos últimos anos

Hotelaria de Cabo Frio tem uma das piores temporadas dos últimos anosCidade repetiu lotação dos anos anteriores sem trazer receita extra (Foto Zininha Abreu FB – reprodução)
Verão de poucos turistas de qualidade pode gerar onda de demissões em Cabo Frio

Segundo a Associação de Hotéis de Cabo Frio, o verão deste ano foi um dos piores dos últimos anos para o setor, apesar de a cidade ter ficado lotada. Aguardada com ansiedade, a temporada de verão, único período do ano que traz certa lucratividade para quem vive do turismo, este ano surpreendeu pelo baixo desempenho e trouxe preocupação quanto ao futuro da atividade turística no município.

Segundo Carlos Cunha, presidente da Associação de Hotéis, este foi um dos piores verões dos últimos anos, seguido de um dos carnavais mais fracos em termos de negócios para todo o trade de Cabo Frio.

“Este ano tivemos uma média de 75% de ocupação da rede hoteleira em todo o verão contra 85% em 2015. Já no carnaval a ocupação não passou de 80%, ficando abaixo do registrado na mesma época do ano passado, que também foi de 85%. A única data que permaneceu com taxa igual a anos anteriores foi o réveillon, com média muito próxima a 100% de ocupação, e mesmo assim só alcançamos esse resultado em cima da hora, enquanto nos anos anteriores a lotação se esgotava semanas antes do Natal – comentou Carlos, lembrando que para tentar garantir ao máximo a ocupação dos hotéis, o reajuste no valor das diárias ficou em 5%, bem abaixo do índice da inflação, “e os pacotes tiveram que ser picotados de quatro para duas diárias em janeiro, e de cinco para três diárias no carnaval”.

Além da situação econômica do país, o hoteleiro lembrou que a falta de políticas públicas voltadas para a captação de turistas de qualidade também teve grande influência, iniciando, a partir de agora, um período preocupante de demissões na cidade.

“Há muito tempo percebemos uma mudança no nível do turista que vem para Cabo Frio. São grupos de 10, 20, até 30 pessoas, que alugam casas de temporada de, no máximo, dois dormitórios, e que não consomem absolutamente nada por aqui porque trazem tudo de suas cidades. Ou seja, não geram renda para hotéis, para restaurantes, para mercados, para o comércio, para ninguém que produz emprego formal. E este foi um ano tipicamente desse tipo de turista devido à completa ausência de políticas públicas focadas na captação do tipo de visitantes que precisamos. Com isso, não conseguimos, neste verão, o que sempre fizemos em anos anteriores: ter um lucro alto o suficiente para nos mantermos na baixa temporada fazendo o mínimo possível de demissões. A situação atual é extremamente preocupante, porque com essa baixa lucratividade o número de demissões será um dos maiores dos últimos anos, representando, praticamente ,100% do número de vagas temporárias geradas”,  alerta Carlos Cunha.

Para o Conventions & Visitors Bureau a baixa qualidade do turista que frequenta Cabo Frio é uma das maiores preocupações do trade turístico da cidade.

ambulantes CaboFrioAgoraDesorganização dos ambulantes é mais um dificultador para atrair o turismo de qualidade (FB Cabo Frio Agora)“A função principal do Conventions é promover o turismo da cidade para convenções, visitação de eventos e atrações diversas. Mas, para isso, é preciso que o poder público faça a parte dele. Infelizmente, até hoje, o nosso tão sonhado Centro de Convenções ainda é um desenho num papel. Nossos pontos de turismo histórico e cultural estão abandonados e necessitando de reformas. E estes não são problemas atuais, mas estão tendo grande influência no atual cenário turístico de Cabo Frio, como vimos neste carnaval: vários pontos da cidade completamente depredados, bancos na orla da Praia do Forte quebrados, um prejuízo enorme aos cofres públicos que poderia ser minimizado se houvesse um interesse maior na implantação de uma política pública voltada para a captação de um turismo de qualidade”, comentou a presidente do Conventions Cabo Frio, Maria Inês Oliveros.

Segundo ela, uma das medidas que ajudariam na construção desse novo olhar turístico seria a implantação do Conselho Municipal de Turismo, que chegou a ter a posse anunciada para janeiro deste ano, mas acabou cancelada na véspera com o anúncio da extinção da Secretaria Municipal de Turismo.

Outro fator negativo desta temporada, segundo Maria Inês, foi o grande número de ambulantes circulando em áreas nobres da cidade e gerando concorrência desleal aos empresários de Cabo Frio.

“Não podemos incentivar essa concorrência com quem dá duro para tentar manter o emprego formal na cidade. Além disso, a falta de padronização desse tipo de comércio causa uma sensação muito forte de desorganização que só afasta, ainda mais, o turista de qualidade, alertou a empresária.

Fonte Cristiane Zotich

{loadposition facebook}

COMPARTILHAR