Estudo demonstra que vasta área no campo de Dunas do Peró já esteve inundada há 7 mil anos.

paleontologiapero

paleontologiapero

As escavações feitas para aberturas de ruas na área do empreendimento Costa Peró, em Cabo Frio, trouxe à superfície sinais da existência uma paleolaguna no passado. Pesquisadores colheram amostras no local que seguiram para datação e classificação.

Antes disso, em 2010, a Revista Brasileira de Cartografia, No 62/02, publicava estudo intitulado “Dinâmica Sedimentar Da Praia Do Peró – Cabo Frio / Rj – Nos Últimos 7000 Anos: Análise Pretérita E Atual”, elaborado pelos pesquisadores Fábio Ferreira Dias, João Wagner Alencar Castro e José Carlos Sícoli Seoane, comprovando a sua existência.

O testemunho para o estudo foi coletado numa profundidade de 2,5m e sua análise foi baseada na cor, textura, tipo de contato, material vegetal e espécies de moluscos.

Os materiais para datação, constituídos por conchas de moluscos e fragmentos de carvão, foram obtidos a 0,80 m e 2,5m de profundidade, respectivamente.

As amostras foram analisadas e datadas no Head of Radiation Hygienic Monitoring Laboratory, localizado em Kiev, Ucrânia. Foram observados 4 (quatro) níveis de paleosolos, presença de marcas de raízes e manchas amareladas que denotam variações do lençol freático. O estudo relacionou dois níveis de datação: valvas inteiras de *Anomalocardia brasiliana *(espécie predominante), datado em 3 mil anos, e um pedaço de tronco, identificado como *Laguncularia racemosa *(Combretaceae), de 7 mil anos.

{loadposition facebook}

COMPARTILHAR