Estudo da UFF avalia volume de água da Represa de Juturnaíba

Reservatório de Juturnaíba (Foto Ernesto Gallioto)


Em um estudo de 2014, executado com recursos da FAPERJ, o Professor Julio Cesar Wasserman, do Departamento de Análise Geoambiental da UFF avaliou a capacidade de reservação de água da Represa de Juturnaíba.

O estudo, que é inédito na região, foi feito através de uma avaliação batimétrica do Lago, realizada a partir da medição de mais de 600 pontos de profundidade.

Uma avaliação cuidadosa do entorno do lago também foi realizado, identificando áreas cobertas com plantas e áreas abertas.
A partir dos pontos de medição de profundidade e utilizando sofisticadas técnicas de interpolação, um mapa das profundidades do lago foi construído, a partir do qual foram avaliados os volumes de água para diversas alturas de água, medidas no vertedouro da represa.

Os resultados são apresentados na tabela abaixo, mostrando que quanto maior a altura da água, maior é o volume.

Altura da água no vertedouro em mts      –    Volume (em m3)

0                                                                         92.833.631
0.1                                                                      96.296.587
0.2                                                                      99.836.195
0.3                                                                    103.455.502
0.4                                                                    107.155.168
0.5                                                                    110.937.760
0.6                                                                    114.807.072
0.7                                                                    118.767.037
0.8                                                                    122.824.116
0.9                                                                    126.987.257
1                                                                       131.270.284

Este tipo de estudo nunca havia sido realizado antes no lago de Juturnaíba e o volume que se dispunha era o valor do projeto inicial de construção da represa e que falava genericamente de 100 milhões de m3. O estudo mostrou que o volume estava um pouco subestimado, pois após mais de 30 anos de construção e considerando que o

lago vem sofrendo processo de assoreamento intenso, ainda exise uma disponibilidade de água da ordem de 93 milhões de m3. Contudo, o volume pode chegar até 131 milhões de m3 em períodos muito úmidos.

Os valores apresentados na tabela constituem informação de grande importância para permitir uma melhor gestão do reservatório, que é o segundo maior reservatório do Estado do Rio de Janeiro. Considerando as atuais restrições na disponibilidade de água em função da falta de chuvas a quantificação real dos volumes de água disponíveis permitirão a determinação mais segura dos momentos em que a população deverá economizar água ou até mesmo racioná-la.

Da redação

{loadposition tague}

 

 

 

 

{loadposition facebook}

COMPARTILHAR