O Brasil nas mãos de Cunha

É uma insensatez e seja o que Deus quisar. O documenro de Bicudo e Reale Jr. é uma mixórdia que inclui fatos iniciados nos goverfnos de “Lula Nunca Mais”. Se o pedido de impedimento chegar ao Senado poderemos ter seis meses de caos. Aécio não irá facilitar a vida de Temer. 

Cunha tinha, obrigatoriamente, que declarar bens no exterior.

O Ciclo PT é um desastre e a oposição é uma catástrofe. Nesta, a capacidade de dizer bobagens pareceria inesgotável: PSOL e a Rede insistem em manter viva as noções de “esquerda”, “esquerda da esquerda” – que seriam eles – e “oposição de direita”. Um besteirol que parecia fazer sentido 40 anos atrás.

A leitura das instruções para o preenchimento da Declaração do IRPF não deixa dúvida. Cunha, como cidadão eleito para ocupar cargo público deveria se ter preocupado em declarar até a posse de bola de gude. Teria mentido, descaradamente, quando numa entrevista afirmou não haver lei que o obrigue a declarar recursos administrados por um trust. Ou seria muito burro ou teria mentido deliberadamente na CPI da Petrobrás.

É preciso acelerar seu julgamento no Conselho de Ética, cassar seu mandato e jogá-lo nas mãos do juiz Sérgio Moro. Seria uma pessoa inútil dedicada a se envolver em debates sem sentido. Empenha-se em ser disruptivo.

O Congresso deveria suspender seu recesso para que se possa encerrar essa fase inútil da crise política. Não haveria perda se Cunha lavasse consigo o deputado André Moura disposto a se humilhar servindo como seu “menino de recados”.

Mandado embora Eduardo Cunha, manter-se-ia fora do cenário o “Lula Nunca Mais”, que seria um analfabeto funcional, responsável pela crise econômica. Seus governos deixaram para o governo da presidenta Dilma um entulho de corrupção que continua a fingir não ter conhecimento. Não consegue admitir que sua riqueza, adquirida nos últimos cinco anos, é um dos frutos daquele ambiente de indecentes e continuadas práticas de delapidação do patrimônio nacional.

O processo de tentativa de impedimento da presidente Dilma deveria ser barrado com a rejeição do pedido pela comissão que começará a funcionar na próxima terça-feira, 08/12/2015.

A partir daí o governo Dilma deverá ser atentamente vigiado, a Câmara de Deputados presidida por alguém que não sinta a necessidade de se aproveitar do cargo para ter seus 15 minutos de fama.

Importante será neutralizar a oposição catastrófica onde atua o senador Aécio Neves, um repetidor de comentários que em nada contribuem para a resolução dos conflitos nas crises política e econômica.

Ernesto Lindgren
CIDDE ONLINE
04/12/2015

{loadposition facebook}

COMPARTILHAR