Começa em Paraty a Flip que tem como homenageada Ana Cristina Cesar

Começa em Paraty a Flip que tem como homenageada Ana Cristina Cesar
Começa em Paraty a Flip que tem como homenageada Ana Cristina Cesar

Começa em Paraty a Flip que tem como homenageada Ana Cristina Cesar

A poeta Ana Cristina Cesar (1952-83) foi escolhida como autora homenageada na Flip 2016 – Festa Literária Internacional de Paraty – que acontece a partir desta quarta-feira (29) e se estende até 3 de julho, em Paraty (RJ). Em 2015, o autor homenageado da Festa foi o escritor Mário de Andrade.

Expoente da geração da Poesia Marginal, que nos anos 1970 se firmou distribuindo edições caseiras no Rio de Janeiro, ao largo do mercado editorial e sob o peso da ditadura militar, Ana C., como é chamada por amigos e leitores, fundou uma vertente marcante na poesia brasileira contemporânea.

Ao homenageá-la, a Flip traça uma linha de continuidade com a programação do festival, que vem ajudando a revelar ao grande público novas vozes na poesia brasileira.

Muitos dos autores convidados nos últimos anos estão entre os destaques de uma geração fortemente influenciada por Ana Cristina, como Ana Martins Marques, Bruna Beber, Angélica Freitas e Mariano Marovatto. A portuguesa Matilde Campilho, convidada da edição 2015, também tem na poeta carioca uma importante referência. Outros autores convidados, como Francisco Alvim, Charles Peixoto, Eucanaã Ferraz, Carlito Azevedo, Fabrício Corsaletti e Chacal, estão entre seus companheiros de geração e leitores.

O diretor-presidente da Associação Casa Azul, Mauro Munhoz, observa que “A geração de Ana Cristina ajudou a redescobrir Paraty e a despertar a vocação literária da cidade. Vai inspirar uma Flip com o sabor dos anos 1970 e 80, um momento chave para compreender o Brasil e Paraty de hoje”. O curador da Flip, Paulo Werneck, afirma que “A obra de Ana C. é densa, pulsante, e conquista leitores em todas as partes do mundo. A homenagem vai poder iluminar áreas menos conhecidas de sua obra e desfazer alguns lugares-comuns a respeito de sua vida”. A Poesia Marginal, segundo o curador, também estará no foco da Flip.

Ana Cristina teve poemas incluídos na importante antologia 26 poetas hoje (1976), organizada por Heloísa Buarque de Holanda, sua ex-professora. Ali estavam alguns dos autores da Poesia Marginal, como Cacaso (Antonio Carlos de Brito), Chacal, Francisco Alvim, Charles Peixoto, Geraldo Carneiro, Waly Salomão, Eudoro Augusto. Muitos outros poetas e grupos, reunidos em torno de selos editoriais e revistas artesanais, além de grupos performáticos como a Nuvem Cigana, se integrariam ao movimento, também conhecido como geração Mimeógrafo.

Além da poesia, Ana Cristina Cesar dedicou-se à crítica e à tradução literária, tendo traduzido Emily Dickinson e Katherine Mansfield. Sua dissertação de mestrado, Literatura não é documento, foi publicada em 1980. Uma temporada de estudos no exterior resultaria no volume de ensaios póstumo Escritos da Inglaterra (1988).

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA

QUARTA-FEIRA, 29 DE JUNHO

Tenda dos Autores:

Sessão de abertura: Em Tecnicolor — 19h. Com Armando Freitas Filho e Walter Carvalho. Às 19h45m, exibição do documentário “Manter a linha da cordilheira sem o desmaio da planície”, de Walter Carvalho, sobre Armando Freitas Filho.

Sarau — 21h45. Convidados da Flip (Allan Jonnes, Chacal, Daniel Minchoni, Kate Tempest, entre outros) celebram a Poesia Marginal e vertentes contemporâneas.

QUINTA-FEIRA, 30 DE JUNHO

Tenda dos Autores:

Mesa 1: A teus pés — 10h. Com Annita Costa Malufe, Laura Liuzzi e Marília Garcia.

Mesa 2: Cidades refletidas — 12h. Com Francesco Careri e Lúcia Leitão.

Mesa 3: Os olhos da rua — 15h. Com Caco Barcellos e Misha Glenny.

Mesa 4: Histórias naturais — 17h15. Com Álvaro Enrigue e Marcílio França Castro.

Mesa 5: Matéria cinzenta — 19h30. Com Henry Marsh e Suzana Herculano-Houzel.

Mesa 6: Na pior em Nova York e Edimburgo — 21h30. Com Bill Clegg e Irvine Welsh.

SEXTA-FEIRA, 1º DE JULHO

Tenda dos Autores:

Mesa 7: Breviário do Brasil — 10h. Com Benjamin Moser e Kenneth Maxwell.

Mesa 8: A história da minha morte — 12h. Com J.P. Cuenca e Valeria Luiselli.

Mesa 9: O show do eu — 15h. Com Christian Dunker e Paula Sibilia.

Mesa 10: Encontro com Karl Ove Knausgård — 17h15.

Mesa 11: Mixórdia de temáticas — 19h30. Com Ricardo Araújo Pereira e Tati Bernardi.

Mesa 12: Sexografias — 21h30. Com Gabriela Wiener e Juliana Frank.

SÁBADO, 2 DE JULHO

Tenda dos Autores:

Mesa 13: Encontro com Leonardo Froés — 10h.

Mesa 14: De Clarice a Ana C — 12h. Com Benjamin Moser e Heloisa Buarque de Hollanda.

Mesa 15: Encontro da arte com a ciência — 15h. Com Arthur Japin e Guto Lacaz.

Mesa 16: Encontro com Svetlana Aleksiévitch — 17h15.

Mesa 17: O falcão e a fênix — 19h30. Com Helen Macdonald e Maria Esther Maciel.

Mesa 18: O palco é a página — 21h30. Com Kate Tempest e Ramon Nunes Mello.

DOMINGO, 3 DE JULHO

Tenda do Autores:

Mesa 19: Síria mon amour — 10h. Com Abud Said e Patrícia Campos Mello.

Mesa 20: Luvas de pelica (sessão de encerramento) — 12h. Com Sérgio Alcides e Vilma Arêas.

Mesa 22: Livro de cabeceira — 16h.

Agência Rio

{loadposition facebook}

COMPARTILHAR