Coleira e não tornozeleira

Os comentários de advogados e senadores sobre a situação do Aécio são idiotices. Esse sujeito está suspenso pelo Supremo e ponto final. O Senado pode atrasar a composição do Conselho de Ética, mas não vai adiantar. Vai perder o mandato e acabar na cadeia. Se conseguir sair, merece uma coleira e não tornozeleira.

O vagabundo só queria dois milhões e mais quarenta para a irmãzinha. Colarinho duro, engomado, provavelmente sempre cheirozinho. Imagine-se esse vagabundo presidente da República.

Esse vigarista vai acabar preso e deve perder tudo o que abocanhou com nosso dinheiro. Assim é fácil. Vai ver o sol nascer quadrado e não no Leblon. Vai chorar, e muito. Merece pegar, pelo menos, 40 anos e, assim colocar um fim no nome famoso. Os ossos do avô ficarão torcidos no caixão. Canalha, nada mais do que um canalha.

Cambado de vigaristas. Tudo está ligado a Lula e não é surpresa que o País esteja quebrado.

Imagine-se: Cunha queria 500 mil para sustentar a família. Ora vejam só. Mais de 40 mil por mês e, possivelmente, queria incluir um 13º para as compras de Natal.

O patife bonitinho deve ser amarrado no pelourinho, em BH, nu de mão no bolso.

Brasília é um erro. A cambada fica lá, isolada, sem correr o risco de levar surras nas ruas pelas roubalheiras que engendram.

Temer pode dizer que não renunciará. Mas, pelo jeito como as coisas estão indo, vai ser tirado Na marra.

Ernesto Lindgren
CIDADE ONLINE
19/05/2017

e

COMPARTILHAR