Casa de acolhimento já realizou mais de 400 atendimentos em Cabo Frio este ano

Casa de acolhimento já realizou mais de 400 atendimentos em Cabo Frio este ano
Casa de acolhimento já realizou mais de 400 atendimentos em Cabo Frio este ano

Casa de acolhimento já realizou mais de 400 atendimentos em Cabo Frio este anoTrabalho da Camor é diário nas ruas de Cabo Frio

No ano de 2015, até agora, 408 pessoas passaram pela Casa de Passagem de Cabo Frio (CAMOR), uma média de 37 pessoas em situação de rua sendo abrigadas por mês. Majoritariamente essa população é formada por homens, com a faixa etária que varia de 41 a 50 anos, em sua maioria, dependentes de álcool e drogas mais pesadas como a cocaína e crack.

Nos meses da alta temporada, a tendência é que o número de pessoas em situação de rua na cidade aumente, por conta do aumento do número de turistas. Muitas pessoas vêm para a Região dos Lagos em busca de trabalho temporário e, quando não conseguem, até por falta de documentos e qualificação, acabam indo parar nas ruas.

O tempo médio de permanência na Casa de Passagem dessas pessoas é de menos de sete dias – a estadia regimental é de 72 horas. Ainda assim, elas conseguem o amparo psicossocial que necessitam para seguirem os seus caminhos, voltando a cidade de origem ou buscando reinserção familiar. Infelizmente, pela facilidade que encontram nas ruas, muitos acabam voltando a dormir ao relento.

Um problema que vem acontecendo com frequência, é o crescente número de pessoas que são expulsas de suas comunidades por conta de dívidas com o tráfico de drogas, e que acabam também aumentando a população em situação de rua na cidade.

O grande volume de pessoas nessas condições que chega à Região dos Lagos vem do Rio de Janeiro e Região Metropolitana, também fugindo do tráfico de drogas ou buscando situações de emprego e procurando familiares – segundo os relatos dos próprios usuários. Porém, é pequeno o número de pessoas que consegue a reinserção social, e o fato de serem dependentes químicos na quase totalidade dos casos, acaba dificultando o trabalho assistencial.

A Casa de Passagem (CAMOR) é um setor de Alta Complexidade, ligado diretamente ao Departamento de Proteção Social Especial (DEPSE), da Secretaria Municipal de Assistência Social (SEMAS), da Prefeitura de Cabo Frio.

{slider Leia Também}

MPRJ ajuíza ação para manter UPAs de Cabo Frio abertas até o verão

{/sliders}

Ao receber os usuários no CAMOR, o primeiro atendimento é feito pela equipe de cuidadores, que encaminha os acolhidos para as acomodações, para fazerem sua higienização e depois se alimentarem. A casa tem capacidade de abrigar até 26 pessoas.

Além do abrigamento, que em nenhum momento é compulsório, os usuários são atendidos em um segundo momento por uma equipe multidisciplinar, formada por assistentes sociais e psicólogas, que iniciam o tratamento de dependência química (quando necessário), além de encaminhamentos para retirada de documentos e ao mercado de trabalho, através dos parceiros da Casa de Passagem.

Em alguns casos, é estudada a possibilidade de reinserção familiar, principalmente quando se trata de adolescentes e idosos. Além do abrigamento e atendimento psicossocial, são desenvolvidas outras ações socioeducativas, como atividades pedagógicas, oficinas sócioinclusivas, aulas de artesanato, além de corte de cabelo. O funcionamento do equipamento é de 24 horas por dia, sete dias por semana. E as rondas (busca ativa) são realizadas diariamente, de manhã, à tarde e à noite.

A Casa de Passagem está localizada na Rua Vitória, 13, nas Palmeiras – Tel.: (22) 99276-2577

Fonte PMCF

{loadposition facebook}

COMPARTILHAR