Burrice a dar com pau

Segundo Renato Duque “O cara”, Lula, marcou um encontro no hangar de uma empresa aérea, em São Paulo. Estaria preocupado se havia grana numa conta na Suíça. “Não pode ter”, teria dito. Tudo bem. Esconde a existência de dinheiro num banco, mas lá está ele, num hangar, um monte de gente caminhando à volta. Há o motorista de seu carro, há o do Vaccari, o do Duque. Essa gente não vai querer se ferrar e dizer, “Fui lá não”. Quem estava no hangar poderá ser localizada e não vai dizer não ter visto os três juntos. Que “O cara”, Lula, esteve no hangar, não há dúvida.

Nessa história da Lava Jato há burrice a dar com pau por todo lado. O pessoal envolvido não se deu ao trabalho de ler livros sobre como atuavam os gangsteres, por exemplo, em Nova Iorque. Jamais usam alguém de fora da “família”, como aconteceu aqui. Aqui chamavam um cara qualquer e mandava a um banco para pegar dois, três milhões de reais e colocar numa mochila. Provavelmente, depois, davam mil paus ao sujeito. Que burrice! Esse cara está doidinho para testemunhar e os advogados de quem fez delação estão correndo atrás procurando essa gente. E os bancários que entraram nos cofres para pegar o dinheiro.
Num esquema como esse não se pega dinheiro vivo em banco. Pega-se em cassino, como faziam os gangsteres de Nova Iorque.

Um chefe de “família” nunca levava como testemunhas de sua defesa membros da família. Lula vai levar 87 da sua turma. Irão dizer o quê? Que era Deus no céu e Lula na Terra? Todos correm o risco de serem acusados de perjúrio se a coisa degringolar, com já começou a degringolar.

As “famílias” da Máfia nunca cometeram esse tipo de risco. Foram mais de 40 anos de investigação para desmontar as “famílias da Máfia” nos Estados Unidos. Aqui, os amadores foram identificados em menos de quatro. Lá, foram treinados desde criança e mal sabiam como assinar os nomes. Aqui, entenderam que como eram “chefões” com doutorado e o escambal, poderiam se safar

Por todo lado o que se vê é burrice a dar com pau.

A pergunta que se faz é “como é que o cara toma banho com a tornozeleira?”. Por mais que lave fica sujeira entre ela e a pele. E vai feder. É merecido, para deixar de ser burro.

Ernesto Lindgren
CIDADE ONLINE
05/052017

COMPARTILHAR