Agora é tarde Lula

Não se faça de vítima. Você é o início, meio e fim da crise que assola o País. Sua Carta Aberta, divulgada na noite de 17/03/2016, mostraria que se horrorizou consigo mesmo, como milhões de brasileiros se horrorizaram quando o ouviram nas gravações que foram feitas, supostamente sem o seu conhecimento, o que parece não ser verdade: numa das gravações você comenta que suspeitava o que estava acontecendo, até prevendo acontecimentos que vieram a se confirmar, como foi o caso das buscas realizadas na sua casa, na de seus filhos.

Você, Lula, seria totalmente amoral, comportando-se como se fosse um “homem sem malícia” como algumas vezes este articulista especulou vis-à-vis incidentes em que você foi a figura central.

Um ser humano é o que verdadeiramente é quando está só, com seus medos, vieses, preconceitos, angústias, alegrias e, particularmente, seus juízos de valor quanto a outros seres humanos. Nesses momentos pode ele, sem restrições e receio de julgamentos, particularmente por ele mesmo, expressar seus verdadeiros sentimentos sobre aqueles outros seres humanos.

É impossível, Lula, mesmo que diariamente divulgue cartas abertas, reverter, apagar, justificar, o horror que milhões de brasileiros sentiram ao o ouvirem manifestar o que seriam seus verdadeiros juízos de valor sobre aqueles a quem se referiu usando linguagem vulgar, agressiva, grosseira, rés.

E você, Lula, teria se horrorizado quando ouviu as gravações. E teria se envergonhado ao olhar-se num espelho. Daí a sua carta aberta divulgada na noite de 17/03/2016.

Milhões de brasileiros não podem perdoá-lo, Lula, com destaque daqueles que servem no STF, no STJ, no Congresso, dos que foram nominalmente citados por você. Afinal, Lula, você estava expressando seus verdadeiros juízos de valor sobre cada um deles.

Agora é tarde Lula. Cabe a você conviver consigo mesmo.

Ernesto Lindgren
CIDADE ONLINE
18/03/2016

{loadposition facebook}

COMPARTILHAR