A confissão de Sérgio Reis

Publicada no Diário de São Paulo, 03/01/2017. ”Lutei contra a ditadura, sim! Tomei borrachadas, engoli gás lacrimogêneo, corri da cavalaria na Av. São João em direção à Praça Antonio Prado e à Praça da Sé.

Participei das perigosas assembléias dos sindicatos, onde milicos escondidos na massa guardavam na memória o rosto dos mais exaltados.

Arrisquei o emprego, pichei muro com o slogan “Abaixo a Ditadura”.

Distribui panfletos.

Morri de medo.

Chorei quando anunciaram a devolução do poder ao povo: eu e mais alguns milhões.

Hoje, vendo pessoas morrendo em filas de hospitais, bandidos matando por R$ 10, pessoas andando feito zumbi nas ruas por causa das drogas, adolescentes que não sabem quanto é 6 x 8, meninas de 14 anos parindo filhos sem pais, toda a classe política desse país desfilando uma incompetência absurda, o nosso país sendo ridicularizado por tantos escândalos…

“Eu peço perdão ao Brasil pela porcaria que fiz”.

 

Ernesto Lindgren
CIDADE ONLINE
05/01/2016

COMPARTILHAR